5 Things Parents Shouldn’t Say to Their Kids

Say what?It’s no secret that parents should pay attention to how they communicate with their children. Even tiger moms and parents following the French style of raising childrencould agree that what we say to our kids — and how we say it –matters. Tiger moms and French parents get the results they wantlargely because of what they say. But besides using words toget kids to do what they want, how moms and dads communicate with theirkids directly impacts the parent-child relationship long term. And it’sthe simple statements parents make, usually in a moment of frustrationwith their young children, which can cause the most damage later on.

beautiful-scene-of-smiling-family_23-2147608518

Related: 8 things you should never say to a mom

“Words hurt and they can’t be taken back, so be careful” saysDebbie Pincus, a therapist, parenting coach and author of “The CalmParent: AM & PM.” Team Mom on Shineasked Pincus and other parenting experts about the most common phrasesthat moms and dads say to young kids in the midst of parental panic.Don’t feel bad if you’ve said them — most parents have! “We’re human.Our lives are crazy and sometimes we don’t give ourselves time to pauseand think,” she says. “We don’t want to be so careful that we’re notauthentic. We’re real. Be passionate with your kids, be real, saywhat’s on your mind. Say it passionately. Just be conscious andresponsible, no matter who we talk to.” Pincus adds that calm iscontagious and better things come out of our mouths when we stopourselves from reacting in the moment.

The bottom line is that as parents, we’re teaching our kids how wewant them to behave in similar situations; modeling the desiredbehavior is key. Check out what Pincus and others had to say about fivethings parents shouldn’t say to kids–and how to turn a moment offrustration into a positive life lesson.

“I don’t care.”
Little kids love to share details…of their playgroundconversations with friends, of the cloud formation they think lookslike a sea serpent, of why they squeezed an entire tube of toothpasteinto the bathtub. And sometimes? Parents just don’t want to hear thespecifics. But beware of saying “I don’t care!” because you’re cuttingoff communication with your child and saying that something importantto him or her isn’t so important to you. “Most parents have a difficulttime once children reach the adolescent stages and complain that theirteens are not communicative with them. Well, the question must be askedthen, ‘How has the parent-child communication been nurtured throughoutthe child’s life?'” says Melinda Garcia, a licensed clinical socialworker with ESCAPE Family Resource Center in Houston. “Theprocess of parent-child communication must evolve positively over theyears. There’s an unspoken trust that occurs when communication isnurtured.” Try this: Garcia recommends that parents let thechild know an issue can be discussed later, perhaps at a better timewhen the parent is more focused. She stresses, however, that parentsmust follow through. “Don’t let the day end without addressing yourchild’s need to share with you.”

“Act your age!”
Your daughter is seven years old but you think she’s acting like she’sthree…and you tell her so. Pincus says this common reaction is lessabout the child’s behavior and all about the parent trying to managehis or her own frustration. The child may, in fact, be acting theirage. “It’s just not working out for the parent,” she says. “It makes usfeel better in the moment.” The result? Kids hear their parentscriticizing them at a time when they, as children, are having troubleand perhaps need some help gaining control. Try this:Says Pincus, “When you are stirred up, just take that pause. Come upwith an effective response instead of a reaction. Most of what we do isa knee-jerk reaction. That pause helps to get that adrenaline down soyou can get the thinking part of your brain working instead of theemotional part of the brain.”

“Say you’re sorry!”
Your preschooler takes a toy from another child and makes himor her cry. You instantly tell your child to say sorry for his or heractions. You’re trying to teach your child to be compassionate, whichis a laudable goal. But “forcing a child to apologize does not teach achild social skills,” says Bill Corbett, a parent educator, author, andproducer/host of the parenting TV show “Creating Cooperative Kids.”Young children don’t automatically understand why they have toapologize. Corbett says that if parent forces a child to say they aresorry, “it could delay the child’s natural acceptance” of apologizing. Try this:Apologize to the child for your kid as a way to model the behavioryou’re trying to encourage. And make sure that when you’re insituations where an apology is warranted, you deliver it just aseasily.

“Don’t you get it?”
You’ve taught your kid how to catch a baseball five times over. Orhow to add and subtract fractions. But when your child shows signs thatit’s not clicking for him or her, you hastily ask, “Don’t you get it?”Learning specialist and author Jill Lauren tells Team Mom on Shine thatthis comment is degrading. “If the child ‘got it,’ which he desperatelywants to do in order to please his parent, it would be clear. Implicitin a ‘don’t you get it’ comment are the judgments of ‘Why don’t you getit?’ followed by ‘What’s wrong with you for not getting it?’ While aparent may not mean to send those messages, that is the message thechild receives.” Try this:Take a break. If you’re stuck on how to teach your child something,step away. Return to the “lesson” when you’re ready to try again,perhaps after researching alternative approaches to teaching whateverit is your child is trying to learn.

“I’m going to leave without you!”
Your kid refuses to leave the toy store or a park and you are goingto be late for an appointment. So you issue an ultimatum sure to freakyour child out: “I’m going to leave without you!” For young kids, fearof parental abandonment is very real. But what happens when your threatdoesn’t work? “The biggest problem is that we want our kids to believewhat we say. For a whole host of reasons, we need our kids to believeus. If you want them to believe what we say is true, we cannot saysomething that is patently false,” says Deborah Gilboa, a familydoctor, parenting speaker, and mom of four boys. The result is that thechild quickly learns that mom or dad makes empty threats. “Parents sayit because they don’t know what else to do…it’s a bad idea,” says Dr.Gilboa: “You need to strive not to make empty threats. If you plant aflag, you have to defend it…say what you mean and follow through.” Try this:Don’t tell your kids you’re going to leave without them. Instead, planahead. Chances are high that you’ve seen your child behave this waybefore. You know what will trigger a tantrum. What will you say if yourchild throws a fit or refuses to leave? “It’s okay to identifyunacceptable behavior,” says Dr. Gilboa. “You can tell them it’s notacceptable but you have to motivate them with a consequence that youcan carry out.”

maio 29, 2017 at 11:53 PM Deixe um comentário

10 maneiras de criar um filho educado

Dizer “por favor”, não interromper uma conversa, se comportar na hora da refeição… Algumas vezes, seu filho pode ter dificuldade em compreender regras sociais. Mas, com algumas estratégias – e muita paciência! –, é possível melhorar o comportamento dele

Quem nunca ficou sem graça depois de o filho receber um presente e não agradecer? Ou teve que segurar o riso quando ele surgiu, durante uma visita na casa de amigos, com uma tigela de doces que foi buscar sozinho na geladeira do anfitrião?

Atitudes como dizer “obrigado” e não mexer nas coisas de outras pessoas são regras que as crianças aprendem aos poucos – e sempre com a sua ajuda. A seguir, saiba como ensinar os dez principais mandamentos de boas maneiras para que seu filho faça bonito em qualquer situação social.

familia-feliz_23-2147506260

1. Dizer “por favor”

O primeiro passo para que as crianças aprendam essa palavra é, claro, ouvi-la dentro e fora de casa. Ou seja: se esse for um hábito diário entre os adultos e você der o exemplo, será mais fácil cobrar o mesmo comportamento dos pequenos. E não espere que seu filho tenha tudo na ponta da língua tão rapidamente. É preciso lembrar o pedido a cada situação até que, aos poucos, ele adquira o costume e saiba quando usá-lo. “Em casa, a ‘palavrinha mágica’ vem de mim, do pai e da babá. Se eles não pedirem algo com ‘por favor’, não cedemos. Meu conselho é pensar nisso como um treino que envolve todas as pessoas à volta da criança”, diz Ana Vaz, consultora de etiqueta e de imagem e mãe de Theodoro, 6 anos, e Helena, 4. Insistir, portanto, é necessário – até porque esse entendimento está relacionado à faixa etária em que a criança se encontra. Apenas por volta de 4 ou 5 anos é que elas vão compreender normas sociais mais facilmente, como explica Teresa Ruas, terapeuta ocupacional especialista em desenvolvimento infantil, de São Paulo (SP). “Até 2 ou 3 anos de idade, as crianças ainda são egocêntricas, não conseguem se colocar no lugar do outro. E essa característica faz parte do desenvolvimento cognitivo. Só mais tarde vão entender conceitos como igualdade, respeito e solidariedade”, explica.

2. Emprestar o brinquedo
Vale seguir a mesma lógica da fase em que se encontra a criança. Se ela tem até 3 anos, em média, terá dificuldades em entregar algo que é dela para outra pessoa ou entender que o emprestado será devolvido. Mas, quando não é possível escapar da situação, procure inicialmente estabelecer trocas. Ter à mão alguns objetos repetidos (mais de uma bola, mais de um carrinho) também é outra dica, caso você saiba que vai encontrar outras crianças da mesma idade ou quando a visita é na sua casa. Conviver com irmãos, primos e colegas de escola também torna o processo mais fácil. “Jogos e brinquedos que favorecem o ‘brincar junto’ contribuem bastante para esse aprendizado”, explica Everson Caleff, diretor educacional do Colégio Marista Santa Maria, em Curitiba (PR). A criança pode aprender, dessa maneira, que ter um companheiro pode até ser mais divertido do que usar apenas aquilo que é “dela”.

Obrigar seu filho a entregar o brinquedo, no entanto, pode não ser a melhor saída. É melhor estimulá-lo a dividir e chamar o amigo para brincar junto. O contrário também vale: quando seu filho pede algo emprestado, a resposta pode ser “não” – e é necessário aprender isso também. Para controlar o choro nessa hora, busque alternativas para distrair a criança. “Eu sempre negocio uma troca, mas quando não dá certo, tento mudar o foco para outra brincadeira”, diz a empresária Kátia Parreira, mãe de Carolina, 6 anos, e Gabriela, 2 anos e 8 meses.

3. Agradecer quando ganha um presente
Nessa situação, o importante é mostrar ao seu filho que outra pessoa se importou com ele e, por isso, merece um agradecimento. O mesmo vale para quando recebe um elogio. E não tem segredo: a recomendação é pedir à criança que agradeça sempre – mesmo que saia aquele “obrigado” meio atravessado. Se isso acontecer, não dê bronca. O motivo está na famosa sinceridade infantil. “Quando a minha filha realmente gostava, o ‘obrigada’ saía junto com um ‘adorei!’, com um abraço… Mas quando o presente não era muito interessante, o agradecimento saía, mas com um sorriso meio amarelado. Isso foi impossível mudar”, diz a professora de Educação Física Nadia Regina Dalla Barba, mãe de Marina, 12.

Choro: por que seu filho abre o berreiro
A especialista Teresa explica que há ainda mais uma questão a ser levada em conta: a proximidade (ou a intimidade) com a pessoa que deu o presente. “A criança pode ter ou não empatia por quem deu o presente. E isso também influencia a resposta”, diz. Não dê muita importância ao assunto, pois geralmente o adulto que presenteou ou elogiou entende a situação. Mas, se você ficou sem graça com a atitude de seu filho, é só pedir desculpas mais tarde para quem o presenteou.

4. Pedir desculpa
Não basta apenas obrigar seu filho repetir a palavra. É preciso explicar o motivo de ele pedir desculpas. E, assim como nas outras situações já citadas, considere a idade da criança, pois o pedido também está relacionado à aquisição do senso moral. Se o seu pequeno de 3 anos empurrou o amigo, por exemplo, o ideal é explicar que aquilo não é certo e incentivá-los a fazer as pazes (sem muitas delongas sobre o assunto). Depois, por volta dos 4 anos, ele vai compreender melhor o sentido de certo e errado e, então, vale uma explicação mais longa, falando que não é legal fazer com os outros aquilo que não gostamos que façam com a gente e que, quando isso acontece, é preciso reconhecer o erro e se desculpar. A partir dos 6 anos, quando esses conceitos estão mais claros para a criança, vale investir em algum tipo de reparação, ou seja, em uma atitude que aconteça a partir do pedido de desculpas. O objetivo é ensinar a importância de respeitar o outro e não banalizar o “sinto muito”. E, sim, será preciso repetir a mesma ação até a criança entender que aquilo não pode ser feito. “Às vezes, percebo que meus filhos dizem ‘desculpa’ quase ‘rosnando’ e eu peço para falar de novo”, diz Ana Vaz. Isso porque o pedido não pode vir só “da boca para fora”, para se livrar da bronca. Ele deve ser feito porque a criança realmente entendeu o erro.

5. Não interromper enquanto os adultos conversam
Principalmente por volta dos 2 anos, a criança vai interromper o papo. E esse é um comportamento normal, que faz parte da fase egocêntrica pela qual ela está passando. “Na verdade, o estranho seria nunca interromper, já que, nesse período, ela se considera o centro das atenções”, afirma Teresa. Portanto, tente incluir seu filho de alguma maneira. Está em uma festa de família? Peça para que ele fique perto e que interaja também coma pessoa com quem você está conversando. Ou deixe o bate- papo para mais tarde. “Quando estou com as crianças, não costumo ter longas conversas com outros adultos. O programa é realmente mais voltado a elas. Mas, quando acontece, não tem segredo: é só pedir. A mais velha já sabe, só com um olhar meu, que é para esperar um pouco”, conta Kátia Parreira.

No caso de seu filho ser um pouco mais velho (a partir de 4 anos), já é mais fácil explicar a situação e dizer que, quando duas ou mais pessoas conversam, cada uma tem sua vez para falar – e que é preciso esperar. Mas, não se esqueça: assim como toda regra de convívio social, será necessário repetir mais de uma vez.

6. Não cutucar o nariz
A criança passa por um processo acelerado de conhecimento durante a primeira infância. E esse tipo de “exploração” do corpo é comum entre a garotada. O mesmo vale para “puns” e arrotos. O ideal é explicar que são atitudes privadas – assim como é preciso fechar a porta para fazer xixi, por exemplo. Essa é a tática da advogada Carolina Santana Maluf, mãe de Ricardo, 6 anos. “Cutucar o nariz é mais forte que ele (risos). Mas costumo explicar que existem algumas coisas que não podemos fazer na frente de outras pessoas, como limpar alguma sujeira do nosso corpo”, diz Carolina. Para os mais novos, principalmente, é preciso dizer sempre, todo dia, até que entendam. Viu seu filho com o dedo no nariz no meio deuma festa de casamento? Leve-o ao banheiro para limpar. E pronto. Evite dar um tapinha na mão ou chamar atenção para o fato. Geralmente, ele nem se dá conta do que está fazendo. A sugestão de Ligia Marques, consultora em etiqueta e marketing pessoal, é combinar com seu filho um código discreto ao chamar sua atenção – e ter paciência. Como tempo, ele vai aprender.

Também vale apelar para o bom humor, como nos versos de Guto Lins em Manual de Boas Maneiras – para Crianças de Todas as Idades (Ed. Globinho): “Meleca se tira com lenço, na pia ou no chafariz. Só não é muito legal por a mão no nariz.”

7. Não abrir a geladeira na casa dos outros
Essa atitude está relacionada à ideia de “nossa casa” e “casa dos outros”. A alternativa é fazer seu filho compreender que ele não pode mexer no que não é dele (o que inclui a geladeira). Não precisa dizer ao seu filho – principalmente se ele ainda for bem novinho – , que é falta de educação na frente de todo mundo. Até porque o adulto que é dono da casa costuma reagir com bom humor à cena. De qualquer maneira, vale sempre reforçar a recomendação de que, quando está fora de casa, é preciso pedir quando deseja alguma coisa. “Também pergunte, por exemplo, se ele gostaria que as pessoas que vão à sua casa remexessem em tudo”, diz a consultora de etiqueta Ligia. Aos poucos, a criança vai aprender como se comportar nessas situações.

8. Respeitar os mais velhos
Seja com os mais próximos, como os avós, ou com aqueles que vê de vez em quando, como um vizinho, seu filho provavelmente vai conviver com pessoas mais velhas. “Para que aprenda a respeitá-las, sempre digo ao Lucas, hoje com 7 anos, que ele não deve fazer a alguém o que não gostaria que fizessem com ele”, diz Ellen Julião Bachiega, arquiteta e designer de festas infantis, mãe também de Gabriel e de Rafael, gêmeos de 1 ano e 10 meses. Além do diálogo, o ideal, como sempre, é partir de situações rotineiras. Explique ao seu filho, por exemplo, que o jeito de brincar com o avô é diferente da maneira com que ele se diverte com o amigo da escola e que eles têm o seu próprio tempo. Também vale lembrar que os idosos são pessoas mais experientes e, por isso, devem ser ouvidos. “Diga que eles já viveram mais e, por mais ‘chatos’ que às vezes possam parecer, fazem e dizem as coisas com a intenção de ajudar”, diz Ligia.

Outra dica para fazê-los compreender a maneira de se relacionar com os mais velhos é ter a literatura como aliada. Que tal passar a tarde em uma livraria e ler, com as crianças, obras que abordam a relação com os avós (ou com os idosos em geral), como as de Monteiro Lobato? É um jeito mais “leve” de tratar a questão. Por fim, dê o exemplo. Não adianta você exigir que seu filho trate bem os mais velhos se você mesmo não dá lugar para um idoso sentar ou reclama quando passam na sua frente em uma fila.

9. Fazer as refeições com tranquilidade
O ideal é tornar a hora de comer a mais organizada possível. Acompanhe a criança enquanto ela se alimenta e evite interrupções que possam distraí-la. Também diga que é importante ficar sentado durante a refeição para que a comida não faça mal. Ana Vaz conta que, com os seus filhos, faz uma brincadeira: quem ficar na mesa até o fim, ganha pontos.

Quando o almoço ou jantar é em um restaurante, distrair a criança é uma boa alternativa. Uma dica é procurar locais com áreas de recreação (mas combine que poderá brincar só depois de comer) e levar brinquedos, jogos, papel e caneta para que se distraia enquanto a comida não vem. Explique também que, se ela se levantar antes de terminar de comer, seu prato será retirado. Outra dica para o caso daqueles muito agitados (em casa ou fora) é “cansá-los” antes da refeição: leve para um passeio ou deixe que brinque bastante antes de comer.

Quem tem mais de uma criança em casa e percebe diferença entre as duas, respeitar o ritmo de cada uma também é necessário. O filho mais velho do poeta e designer Guto Lins, pai de João, 13 anos, e Antonio, 9, é muito autônomo e acelerado. “Ele sempre comeu mais rápido do que o irmão e, por isso, saía antes da mesa”, diz. Lidar com essa diferença pode ser uma boa estratégia enquanto os filhos são pequenos. Depois, devem ter paciência para só se
levantar quando todo mundo acabar.

10. Saber esperar
Seja na fila do parque ou na sala de espera do consultório médico, é comum ver uma criança inquieta. Essa ansiedade começa ainda na fase de bebê e está relacionada à rapidez com que ele tem suas necessidades atendidas. É preciso ter paciência para que, aos poucos, seu filho aprenda a ser mais paciente, mas há algumas atitudes suas que podem ajudar. Quebrou ou perdeu um brinquedo? Não precisa comprar outro imediatamente, diga que em outra ocasião você dá um novo, ou que tal pedir para o Papai Noel? Quando a ansiedade está relacionada a alguma viagem ou festa que vai acontecer, espere para contar sobre o evento quando estiver mais próximo à data.

Em situações que não dá para escapar da espera, procure sempre ter na bolsa um brinquedo, um tablet, um livro, um game ou, dependendo do horário, algo para comer ou beber. Por fim, sempre vale repetir (mesmo para as mais novas) que “tudo tem a sua hora”. A criança precisa saber que chegará a sua vez, mas isso precisa ser mostrado com ações. Atue sempre da mesma maneira com seu filho até o momento que ele consiga ter o que está esperando. Outra dica: se está em um restaurante, por exemplo, que tal explicar (de um jeito que ele entenda, claro) como se dá o processo de preparação de um alimento? “Fale do cuidado e do tempo que é necessário para preparar aquilo que comemos. Provavelmente, ele não vai entender na primeira, segunda ou terceira vez. Mas, aos poucos, começa a compreender que nem tudo está pronto e acabado, esperando para atender seus desejos”, diz o educador Everson Caleff.

 

Por Simone Tinti

maio 29, 2017 at 11:48 PM Deixe um comentário

A Criacão

No início Deus criou os céus e a terra. A terra era sem forma, vazia, escura e coberta de água. O Espírito de Deus flutuava sobre a água. E Deus disse: “Haja luz”, e ela apareceu. Deus viu que a luz era boa.
Ele separou a luz da escuridão, e chamou a luz de “dia” e a escuridão de “noite”. A tarde e a manhã foram o primeiro dia.

E Deus disse : “Que haja um grande espaço entre as águas debaixo do céu e as de cima”.
E Ele chamou o espaço de “céu”. A tarde e a manhã foram o segundo dia.

Deus disse: “Que as águas debaixo do céu se ajuntem em um lugar, e que haja um espaço seco”.

Ele chamou o lugar seco de “terra”; e chamou de “mares” o ajuntamento de águas. Deus viu que isso era bom. E Deus disse: “Que a terra produza ervas, plantas e árvores frutíferas”; e isso aconteceu, e Deus viu que tudo era bom. A noite tarde e a manhã foram o terceiro dia.

Deus disse: “Que haja luzes no céu para determinarem as estações, os dias e os meses”. Deus criou duas grandes luzes; o Sol para governar o dia, e a Lua para governar a noite. Ele criou também as estrelas, e as espalhou pelo céu para que iluminassem a Terra. Deus viu que isso era bom. A noite e a manhã foram o quarto dia.

Deus disse: “Que as águas fiquem cheias de criaturas vivas, e que as aves voem pelo céu”. Deus criou grandes animais marinhos e tudo o que se move nas águas. Criou peixes e aves, e viu que tudo era bom, e os abençoou dizendo: “Sejam frutíferos e se reproduzam”. E a tarde e a manhã foram o quinto dia.
Deus disse: “Que a terra se encha de criaturas vivas”. Então ele criou os animais da terra, o gado e tudo que rasteja, para se reproduzirem; e Deus viu que isso era bom.

maio 29, 2017 at 11:18 PM Deixe um comentário

Smilinguido para Colorir e algumas Figuras Ilustrativas

As crianças amam o Smilinguido e sua turminha. Aproveite os momentos livres das aulinhas, quando o assunto do dia já tenha acabado ou os desenhos do Smilinguido com as passagens Bíblicas, pode ser desenhos com passagens ligadas a aula do dia.

“Alegrem-se sempre no Senhor. Novamente direi: Alegrem-se!” Filipenses 4:4

Mateus5_8Para Colorir 1

Figuras:

800_fanijaneiro_jpg-48765930000716e9800_piriamarco_jpg-48765a9000002c19800_smijaneiro_jpg-48765a1c000df7e8800x600_1_jpg-457d9af70006c337800x600_2_jpg-457d9abe0008dff1800x600_2_jpg-457d9abe0008dff1800x600_3_jpg-457d9b4700056c16800x600_4_jpg-457d9bf6000d8965800x600_6_jpg-457d9cb9000e96ff800x600_14_jpg-457d9f65000683ec800x600_15_jpg-457db66700080c81Aniversário 2fevereiro800x600_jpg-45bf373d00003cb7papelpais2005_800_jpg-457d9f920000193cpriProvérbios 16-16aSmilinguido 1Smilinguido 001

janeiro 22, 2013 at 1:21 AM Deixe um comentário

Modelo de Frequência do Aluno

Olá Pessoal,

Quero dividir com vocês neste domingo um modelo de Frequência do Aluno. É somente colocar a frequência de cada aluno no Mural da salinha ou na parede. Uma folha para cada criança.

Frequência do Aluno

janeiro 21, 2013 at 5:17 AM Deixe um comentário

2013 Crianças para Jesus!

Olá Pessoal!

Estou um pouco atrasada para desejar felicitações de Ano Novo (19 dias passados).  Mas mesmo assim quero desejar a todos um Ano Novo abençoado cheio da graça de Deus. Este ano estou com idéias novas para manter o blog atualizado. No ano passado havia começado a com meu filho aulinhas bíblicas em casa além das que ele já tem na Escolinha Dominical na igreja. Estarei postando semanalmente as atividades que tenho feito com ele e mais as atividades, montagens de aulas e desenhos que já tenho preparadas em meus arquivos de Ministério Infantil. Espero poder ajudar a todos. Aceito sugestões.

Minha dica de oração para o dia de hoje:

Que oremos pelas crianças no mundo em especial pelas crianças que foram traficadas ou que estejam nas mãos de traficantes. Sempre clamo a Deus pela proteção dessas crianças e o desejo do meu coração é que um caminho seja aberto para que essas crianças possam voltar para seus verdadeiros pais. Deixe aqui seu pedido de oração! Um ggrande abraço a todos!

Crianças para Jesus

janeiro 20, 2013 at 3:14 AM Deixe um comentário

Face Paiting

agosto 24, 2012 at 4:18 PM Deixe um comentário

Posts antigos


Digite seu endereço de email para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 23 outros seguidores

Índice Mensal de Atividades do Blog

Calendário

agosto 2017
S T Q Q S S D
« maio    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Tópicos recentes